As bicicletas não são eternas ...

Comprar uma bicicleta é como ter um filho e já diz meu pai ... "quem quer filhos ... tem de os manter" ... o investimento numa bicicleta não se concentra só na sua compra, prolonga-se durante o seu ciclo de vida, porque o material não é eterno, desgasta-se, avaria, parte etc ... 

 

Muito se escreve acerca da manutenção de bicicletas, existindo uma miríade de "receitas" e "fórmulas",  todas elas mais ou menos certas, mas como isto está longe de ser uma ciência exacta, é difícil estabelecer padrões de durabilidade e fiabilidade. Já vimos bicicletas com 3000km sem manutenção e em bom estado, e outras que ao fim de 500km já necessitavam de intervenção ... tudo depende de como, quando e onde se anda. No entanto, como já andamos nisto há alguns anos, permite-nos tirar algumas ilações ... 

 

 

 

1 - Estrada vs BTT

 

Em condições normais, o material de desgaste de uma bicicleta de estrada tem uma durabilidade superior ao de uma bicicleta de BTT. Uma bicicleta de BTT opera em condições muito mais agrestes, por isso os intervalos de manutenção deverão ser mais regulares.

 

2 - Rígida vs Suspensão Total 

 

Uma boa bicicleta de suspensão total tem muitas vantagens ... mais confortável, melhor leitura do terreno, melhor comportamento em terrenos agressivos etc ... mas também implica mais manutenção porque, para além dos mesmos componentes de uma bicicleta rígida, tem a manutenção do sistema de amortecimento traseiro ...  amortecedor e pontos de rotação dos links da suspensão. Só para terem uma noção, este sistema traseiro pode levar cerca de 12 rolamentos!

 

3 - Baixa Gama vs Alta Gama

 

Quem não gostaria de ter um grupo XTR, XX1 Eagle, Dura-Ace ou Red na sua menina? Pois ... mas este equipamento pode não durar mais que um de gama inferior. Regra geral, tem um peso menor, estética/acabamento mais refinado e, eventualmente, um funcionamento mais eficiente. Também é preciso ter em conta que o custo de substituição é muito mais elevado, por exemplo, uma corrente XX1 11V custa € 59 ... uma PC X1 11V custa €32 (valores de referência do site da SRAM).

 

4 - Água vs Seco

 

A água, venha ela de baixo ou de cima, é dos piores inimigos da bicicleta ... ela encontra sempre maneira de entrar em locais onde vai fazer estragos (oxidar, corroer etc ...) Voltas regulares à chuva, em ambientes húmidos, atravessar rios e ribeiras, lavagens frequentes com água à pressão ... obrigam a manutenções mais frequentes.

 

5 - Pior do que água ... lama

 

A lama é como uma lixa ... abrasa tudo,  provocando um desgaste acelerado dos componentes, especialmente, da transmissão. A areia também poderá provar o mesmo efeito.

 

6 - Rolamentos selados ... até certo ponto

 

Os rolamentos estão presentes em vários pontos da bicicleta ... caixa de direcção, cubos e cepo das rodas, eixo pedaleiro, links da suspensão traseira, mas não são à prova de bomba ... senão sofrerem manutenção regular, acabam por "gripar" podendo comprometer outras partes da bicicleta, por exemplo, o quadro. E sim, é o que estás a pensar, um dos piores inimigos dos rolamentos é mesmo a água e se for água "barrenta" ... pior!

 

7- Corrente ... trocar ou deixar andar?

 

Depende da "doutrina" que segues ... mas já sabes, se não trocares a corrente com alguma regularidade, o mais certo é um dia  deixar de funcionar correctamente, ou até partir, e quando for para trocar eventualmente terás que mudar também a cassete e prato(s) do pedaleiro. Dizem os "manuais" que uma corrente deverá ser trocada entre 0.5% (10, 11 e 12 velocidades) e 0.75% (7, 8 e 9 velocidades) de desgaste, ou seja de aumento do pitch (distância) entre os pinos. Quantos quilómetros dura uma corrente? Depende ... se é uma bicicleta de btt ou estrada ... tanto podem ser 500km ou 3000km ... mais uma vez depende de como, quando e onde se pedala.

 

Quando devemos fazer a revisão à bicicleta?

 

Em BTT, e para o utilizador que faz 50km a cada fim-de-semana, duas vezes por ano, de 6 em 6 meses. De preferência, no Outono de forma a preparar a bicicleta para o Inverno, e na Primavera, para descontaminar a bicicleta das agruras invernais. 

 

Em estrada, uma revisão anual será suficiente para manter a bicicleta em bom estado.

 

Mas atenção!!!! Se andas frequentemente à chuva, estradas molhadas, terrenos com muita lama, atravessas rios e ribeiras com a bicicleta dentro de água ... poderão ser necessárias intervenções mais frequentes.

 

Em que consiste uma revisão?

 

Desmontagem, lavagem da bicicleta, desengorduramento de toda a transmissão, limpeza e substituição de massas em todos os pontos de rotação da bicicleta (cubos das rodas, eixo pedaleiro, caixa de direcção e links da suspensão), inspecção de todos os componentes (quadro, transmissão, travões e suspensão), lubrificação da transmissão e afinação geral.

 

E as suspensões?

 

As suspensão são dos componentes mais caros de uma bicicleta, por isso requerem uma atenção especial. Deverás sempre confirmar no manual do fabricante os intervalos de revisão da tua suspensão, que podem variar entre as marcas e até entre modelos da mesma marca.

 

 

 

 

De uma forma geral, a Rockshox recomenda a revisão simples (retentores e banho de óleo das pernas e jarras) a cada 50 horas e uma revisão geral (câmara do ar e sistema hidraúlico) a cada 100 horas. A Fox varia entre as 30 horas para um revisão simples em modelos mais antigos e as 100/125 horas para as revisões gerais em modelos mais recentes.

 

Horas? Quantos quilómetros são? Depende do ritmo a que andas, por exemplo, se tiveres uma média de andamento de 15km/h, logo 100h x 15km = 1500km.

 

Mais uma vez, se andares em ambientes muito agrestes (chuva, água, lama) os intervalos de manutenção terão de ser reduzidos.

 

E é tudo ... trata bem da tua "menina" que ela seguramente te dará quilómetros de prazer. Se tiveres alguma dúvida, não hesites em contactar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

18.11.2018

Please reload

Arquivos
Please reload